Arquivo médico e estadístico do Hospital Universitário: fatores arquivísticos que contribuem para a gestão da qualidade

Jhonata Medeiros Caetano, Eliana Maria dos Santos Bahia Jacintho

Resumen


A investigação no Hospital Universitário da Universidade Federal de Santa Catarina, focada na gestão da qualidade, se fez em virtude de o hospital estar desde o ano de 2014 em busca da acreditação hospitalar conforme a Organização Nacional de Acreditação (ONA). Elaborando um levantamento descritivo para identificação dos fatores arquivísticos que contribuem para gestão da qualidade do Serviço de Arquivo Médico e Estatística. Para o desenvolvimento da pesquisa, foram realizadas levantamento bibliográfico com abordagem qualitativa para a construção de uma base teórica, referente a informação na saúde pública. O resultado do estudo manifesta a compreensão dos fatores arquivísticos que contribuem para a gestão da qualidade nos arquivos médicos,  relevante fonte de informação para o conhecimento e desenvolvimento científico para a área da saúde, auxiliando para futura acreditação hospitalar segundo a ONA.

Texto completo:

86-100 PDF

Referencias


ARQUIVO NACIONAL (Brasil). Dicionário brasileiro de terminologia arquivística. Rio de Janeiro, 2005. 232p., Publicações Técnicas, n. 51, ISBN: 85-7009-075-7.

PINTO, Virgínia Bentes. Prontuário eletrônico do paciente: o documento de comunicação do domínio da saúde In: Actas do II Congresso Luso-Brasileiro de Estudos Jornalísticos/ IV Congresso Lus0Galego de estudos Jornalísticos. Porto, 2005. P.116.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico, 1988. 292 p.

BRASIL. Resolução Nº 1.638, de 10 de julho de 2002b. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Conselho Federal de Medicina, Brasília, DF, 2002. Disponível em: < http://www.cremesp.org.br/library/modulos/legislacao/versao_impressao.php?id=3101> . Acesso em: 21 set. 2016.

BRASIL. Resolução Nº 1.821, de 11 de julho de 2007b. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Conselho Federal de Medicina, Brasília, DF, 2007. Disponível em: . Acesso em: 21 set. 2016.

CASTRO, R. C. F. Comunicação Científica na Área de Saúde Pública: Perspectivas para Tomada de Decisão em Saúde baseada no Conhecimento [tese de doutorado]. São Paulo: Universidade de São Paulo. Departamento de Prática de Saúde Pública da Faculdade de Saúde Pública, 2003.

CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS (BRASIL). Classificação, temporalidade e destinação de documentos de arquivo relativos às atividades-meio da administração pública. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2005.

FONSECA, J. J. S. Metodologia da pesquisa científica. Fortaleza: UEC, 2002.

MENEZES, E. M. Pesquisa bibliográfica. Florianópolis: CIN/CED/UFSC, 2009.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Disponível em: < http://portalsaude.saude.gov.br/index.php/o-ministerio#61> . Acesso em: 09 nov. 2016.

OMS. Organização mundial da saúde. Disponível em:< http://www.who.int/about/es/> . Acesso em: 14 out. 2016.

ONA. ORGANIZAÇÃO NACIONAL DE ACREDITAÇÃO. Disponível em: < https://www.ona.org.br/> . Acesso em: 14 out. 2016.

RENÉ TEIJGELER. Conservação preventiva da herança documental em climas tropicais: uma bibliografia anotada. Lisboa: Biblioteca Nacional, 2007.407p.

SOMAVILLA, Raone. Os arquivos médicos no contexto da produção do conhecimento e exercício da cidadania. 2015. 358 f. Tese. Universidade de Salamanca.


Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.